Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Evangelho de Mateus 14,22-33

Missa de 13 de agosto de 2017

19º DOMINGO DO TEMPO COMUM
 VOCAÇÃO PARA A VIDA EM FAMÍLIA – DIA DOS PAIS

Leituras
Primeira Leitura 1Rs 19,9a.11-13a
Salmo 84/85
Segunda Leitura  Rm 9,1-5
Evangelho Mt 14,22-33

Mensagem Principal


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

Depois de despedir a multidão e de obrigar os discípulos a embarcar para a outra margem, Jesus “subiu a um monte para orar, a sós”. Mateus só se refere à oração de Jesus por duas vezes: aqui e no episódio do Getsemani (cf. Mt 26,36): em ambos os casos, a oraç
ão precede um momento de prova para os discípulos.
Enquanto Jesus está em diálogo com o Pai, os discípulos estão sozinhos, em viagem pelo lago. Essa viagem, no entanto, não é fácil nem serena… É de noite; o barco é açoitado pelas ondas e navega dificilmente, com vento contrário. Os discípulos estão inquietos e preocupados, pois Jesus não está com eles…
O quadro refere-se, certamente, à situação da comunidade a que Mateus destina o seu Evangelho (e que não será muito diferente da situação de qualquer comunidade cristã, em qualquer tempo e lugar). A “noite” representa as trevas, a escuridão, a confusão, a insegurança em que tantas vezes “navegam” através da história os discípulos de Jesus, sem saberem exactamente que caminhos percorrer nem para onde ir… As “ondas” que açoitam o barco representam a hostilidade do mundo, que bate continuamente contra o barco em que viajam os discípulos… Os “ventos contrários” representam a oposição, a resistência do mundo ao projecto de Jesus – esse projecto que os discípulos testemunham… Quantas vezes, na sua viagem pela história, os discípulos de Jesus se sentem perdidos, sozinhos, abandonados, desanimados, desiludidos, incapazes de enfrentar as tempestades que as forças da morte e da opressão (o “mar”) lançam contra eles…
É aí, precisamente, que Jesus manifesta a sua presença. Ele vai ao encontro dos discípulos “caminhando sobre o mar” (vers. 26). No contexto da catequese judaica, só Deus “caminha sobre o mar” (Job 9,8b; 38,16; Sal 77,20); só Ele faz “tremer as águas e agitarem-se os abismos” (Sal 77,17); só Ele acalma as ondas e as tempestades (cf. Sal 107,25-30). Jesus é, portanto, o Deus que vela pelo seu Povo e que não deixa que as forças da morte (o “mar”) o destruam. A expressão “sou Eu” reproduz a fórmula de identificação com que Deus se apresenta aos homens no Antigo Testamento (cf. Ex 3,14; Is 43,3.10-11); e a exortação “tende confiança, não temais” transmite aos discípulos a certeza de que nada têm a temer porque Jesus, o Deus que vence as forças da morte e da opressão acompanha a par e passo a sua caminhada histórica e dá-lhes a força para vencer a adversidade, a solidão e a hostilidade do mundo.
Depois, Mateus narra uma cena exclusiva, que não é apresentada por nenhum outro evangelista: a do diálogo entre Pedro e Jesus (vers. 28-33). Tudo começa com o pedido de Pedro: “se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas”. Pedro sai do barco e vai, de facto, ao encontro de Jesus; mas, assustando-se com a violência do vento, começa a afundar-se e pede a Jesus que o salve. Assim acontece, embora Jesus censure a sua pouca fé e as suas dúvidas.
Pedro é, aqui, o porta-voz e o representante dessa comunidade dos discípulos que vai no barco (a Igreja). O episódio reflecte a fragilidade da fé dos discípulos, sempre que têm de enfrentar as forças da opressão, do egoísmo, da injustiça. Jesus comunicou aos seus o poder de vencerem todos os poderes deste mundo que se opõem à vida, à libertação, à realização, à felicidade dos homens. No entanto, enquanto enfrentam as ondas do mundo hostil e os ventos soprados pelas forças da morte, os discípulos debatem-se entre a confiança em Jesus e o medo. Mateus refere-se, desta forma, à experiência de muitos discípulos (da sua comunidade e das comunidades cristãs de todos os tempos e lugares) que seguem a Jesus de forma decidida, mas que se deixam abalar quando chegam as perseguições, os sofrimentos, as dificuldades… Então, começam a afundar-se e a ser submergidos pelo “mar” da morte, da frustração, do desânimo, da desilusão… No entanto, Jesus lá está para lhes estender a mão e para os sustentar.
Finalmente, a desconfiança dos discípulos transforma-se em fé firme: “Tu és verdadeiramente o Filho de Deus” (vers. 33). É para aqui que converge todo o relato. Esta confissão reflecte a fé dos verdadeiros discípulos, que vêem em Jesus o Deus que vence o “mar”, o Senhor da vida e da história que acompanha a caminhada dos seus, que lhes dá a força para vencer as forças da opressão e da morte, que lhes estende a mão quando eles estão desanimados e com medo e que não os deixa afundar.
Quando é que os discípulos fizeram a descoberta de que Jesus era o Deus vencedor do pecado e da morte? Naturalmente, após a Páscoa, quando perceberam plenamente o mistério de Jesus (perceberam que Ele não era “um fantasma”), sentiram a sua presença no meio da comunidade reunida, experimentaram a sua ajuda nos momentos difíceis da caminhada, sentiram que Ele lhes transmitia a força de enfrentar as adversidades e a hostilidade do mundo, sentiram que Ele estava lá, estendendo-lhes a mão, nos momentos de fraqueza, de dificuldade, de falta de fé. É esta mesma experiência que Mateus nos convida também a fazer. Fonte: 
http://www.dehonianos.org/portal/

Ideia de roteiro para teatro

PA: Ah pensei que não ia mais aparecer aqui na Catequese, amigo!

PB: Nossa, mas eu só não pude vir na semana passada...

PA: Você pensou que a catequese não tinha voltado ainda das férias?

PB: Na verdade sabia sim, mas estavamos de férias na cidade dos meus avós... lá tem praia, tava muito gostoso e resolvemos ficar mais um fim de semana...

PA: Entendi... desde que te conheço, você nunca faltou na Catequese, tinha mesmo um bom motivo?

PB: Sim, foi o aniversário do meu papai e este ano tivemos a oportunidade de passar com toda a família na casa dos meus avós, papais dele!

PA: Realmente um bom motivo! Fico feliz que voltou! Mas, o que você tá levando ai? é uma prancha?

PB: Sim, é uma prancha! Eu ganhei do meu pai e usei ela todos os dias das férias!

PA: Ah, eu não tenho prancha. Meu pai até já quis me dar uma, mas tenho muito...muito medo de cair no mar! Deus me livre!

PB: Deus livra sim...(risos)

PA: Porque tá rindo de mim? Porque você trouxe esta prancha na Catequese e não estou entendendo nadinha!

PB: Sabe amigo, eu olhei na nossa programação da Catequese e vi que iamos falar hoje do evangelho  em que Pedro caminha sobre o mar para encontrar com Jesus...

PA: Ai eu não olhei... mas eu me lembro bem deste evangelho: Os discipulos estavam com medo no mar bravo, ai viram Jesus, estavam com medo dele, pois parecia um fantasma, mas Pedro quis ir encontrar ele pisando na água e quando foi, teve muito medo, pois o vento começou a soprar mais forte e ele teve que gritar para Jesus o salvar. Quase Pedro afundou, pois sua fé foi muito fraca. 

PB: Exatamente!

PA: Mas continuo sem entender o porquê da prancha! 

PB: Para que serve a prancha, amigo?

PA: Para surfar, ela faz o surfista deslizar no mar, fazer manobras bem legais e não afundar!

PB: Isso aí, entendeu porque eu a trouxe aqui?

PA: Você vai dizer para a tia que se Pedro fosse surfista ele não teria afundado? Vai dizer isso?

PB: Não, não... acho que nem tinham surfistas na época de Jesus!

PA: É....acho que não mesmo! Então o que vai dizer?

PB: Vou dizer que aprendi com a prancha  a enfrentar o mar. Que ele muitas vezes nos dá muito medo, mas se a gente aprender a se equilibrar na prancha e ficar firme nela, dá tudo certo!

PA:  É verdade mesmo! 

PB: Olha o que escrevi na minha prancha...

PA: FÉ!

PB: Sim, porque quando meu pai me deu, disse que eu precisaria ser corajoso, disse que mesmo com medo eu precisaria acreditar e iria conseguir. Disse  que ele sempre estaria do meu lado...Ai falei para ele, mas uma hora vou estar sozinho no mar, né... ele respondeu que sim, mas que tinha alguém que nunca me abandonaria, sabe quem?

PA: Jesus!

PB: Isso mesmo! Meu pai disse mais! Disse que o mar é como a nossa vida... as vezes tá calmo, azulzinho, quentinho e vai tudo bem. Derrepente o vento sopra forte, traz problemas, ficamos com medo,  cheio de ondas que querem derrubar a gente, como diz o meu avô que mora na praia: vira um mar bravo,.. Mas quem acredita em Jesus vence tudo, vence tudo isso! Na vida e no mar!

PA: Que legal, PB... nossa que coisa bonita você aprendeu nas suas férias! Sabe, acho que vou pedir pro meu pai me dar uma prancha sim... tô arrependido porque não quis da outra vez!

PB: Ah isso ai, amigo! ai podemos surfar juntos! Já fazemos catequese juntos! Mais uma coisa legal! Mas olha, hoje não é dia de pedir presente para o pai, não!

PA: Ah como,não? eu preciso da minha prancha! Por que?

PB: Porque hoje é dia dos pais, amigo! Nós que temos que dar presente para eles!

PA: É verdade! 

PB: Mas tenho certeza que seu pai vai ficar feliz, porque você aprendeu a vencer seu medo e o que é melhor... aprendeu que Jesus é a nossa grande, grande força!

PA: Isso aí! Sabe, amigo... vai ser muito legal! Eu e meu pai seremos os melhores surfistas... vou contar logo para ele e vamos trazer muito mais amigos para Jesus! A fé é que faz a gente caminhar seguro e não afundar! 

PB: Isso ai,amigo! E Feliz  dia dos pais para o seu pai!

PA: Obrigada, amigo... para o seu tbm e para todos! Deus abeçoe todos os papais!
Sugestão de Música

Jesus é meu amigo
CD Um lugar bem legal - Cantinho da Criança  - CN


E...........................C#m.........­.
Jesus é meu amigo Jesus esta comigo 
A................................b7 (E)
E nunca vai me abandonar 2X.

A.......................B7.........E....­C#
Sei que Ele me ama, de verdade,2X
...................A............B7......­.............E.
seu nome Jesus, caminho verdade e luz.



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Os discipulos estavam amedrotados, tristes e chegaram a pensar que Jesus era um fantasma... 

O que deixa você triste e com medo?

Você já teve uma experiência de estar com muito medo e sentir que foi ajudado por Jesus? Que Ele te deu a mão? Conte para gente!

É muito importante escutar cada criança, encorajar que falem, ajudá-las a se lembrar... Certamente todos terão exemplos para dar... talvez precisem de ajuda para se lembrar ou até mesmo para associar à obra de Deus.

E quem somos nós sem reconher a ação de Deus nas nossas alegrias e tristezas? Este é o tipo de coisa que todos temos que aprender, isso fortalece a nossa fé, nossa caminhada e nos ajuda a confiar Nele cada dia mais e mais!



Para o dia dos Pais

Fonte: http://sarahbandeira.blogspot.com.br/2011/07/lembrancinha-dia-dos-pais.html



Oração

Jesus, que eu nunca deixe de confiar em Ti! Quero que a cada dia eu sinta o seu amor... mais e mais... Que nada me assuste! Que eu confie! Amém



domingo, 23 de julho de 2017

Evangelho de Mateus 17, 1-9

Missa de 06 de Agosto de 2017


https://blog.cancaonova.com
18º DOMINGO DO TEMPO COMUM
 FESTA DA TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR 
- AGOSTO: MÊS VOCACIONAL - 

Leituras
Primeira Leitura Dn 7,9-10.13-14
Salmo 96 / 97
Segunda Leitura 2Pd 1,16-19
Evangelho Mt 17,1-9
Fonte: Liturgia Diária

Mensagem Principal

No Monte Tabor Jesus se manifesta aos seus discípulos em todo o esplendor da vida divina que está n’Ele. Esse esplendor já é a antecipação daquele que o envolverá por conta de sua morte e ressurreição. Esse acontecimento revela quem é Jesus, quem somos nós e o que nos espera no dia em que O veremos face a face. Saudamos a todos os chamados ao ministério ordenado, por quem rezamos, neste primeiro domingo deste mês vocacional.
Fonte: Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

“O MISTÉRIO DA TRANSFIGURAÇÃO” Conforme Missal Romano, eis alguns dizeres do prefácio de hoje sobre o Mistério da Transfiguração: “Perante testemunhas escolhidas, Jesus manifestou sua glória e fez resplandecer seu corpo, igual ao nosso, para que os discípulos não se escandalizassem da cruz. Desse modo, como cabeça da Igreja, manifestou o esplendor que refulgiria em todos os cristãos”. Tiramos daqui uma mensagem pastoral para reflexão: A vida e ação de Jesus não terminam na sua morte. A transfiguração é sinal de Ressurreição; a sociedade não conseguirá deter a Pessoa e a Atividade de Jesus, que irão continuar através de seus discípulos. A voz do Pai, “ESCUTAI-O”, mostra que daqui por diante Jesus é a única autoridade. Todos os que ouvem o convite do PAI e seguem a Jesus até o fim começam desde já a participar da sua vitória final, quando ressuscitarão com ele.
Diác. José de Alencar Ribeiro - Paróquia São João Bosco
Fonte: Folheto Nova Aliança


ESTE É O MEU FILHO AMADO; OUVI-O

Em Mt 17, 1-9, Jesus nos mostra sua Majestade e seu sofrimentos para nos ensinar que não há triunfo se não houver batalha.
Pouco depois de explodir o coração de S. Pedro em cesárea, quando proclamou Jesus Cristo como Filho de Deus, a Transfiguração vem confirmar e vem dar aos três melhores discípulos um antegozo da glória definitiva antes das amarguras passageiras da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo.
A cena gloriosa do Tabor destina-se a colocar na sua verdadeira luz a bem-aventurada Paixão do Calvário. E a nossa vida quotidiana pode ser uma térmica de sofrimentos: oferecido a Deus, torna-se já um vestuário de glória.
Com esta visão sobrenatural Jesus dava uma confirmação à confissão de Pedro: Tu és o Cristo, Filho de Deus Vivo. Aquele instante de glória sobre-humana era o penhor da glória da ressurreição. O Filho do Homem vivia na glória do Seu Pai. O próprio tema do colóquio com Messias.
A Transfiguração que faz parte do mistério da Salvação, é bastante merecedora de uma celebração litúrgica, que a igreja, tanto do Ocidente como do Oriente celebrou de vários modos e em diferentes datas, até o papa Calisto II a estender à igreja universal.
Quando Deus veio à terra, na pessoa de Jesus, adotou uma forma humana. Fisicamente, Jesus se parecia como qualquer outro homem. Ele teve fome, sede, cansaço, etc. Sua divindade foi vista apenas indiretamente, em suas ações e suas palavras. Mas, numa ocasião, a glória divina interior de Jesus resplandeceu e se tornou visível. A história é contada em Mateus 17:1-8:
Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João e os levou, em particular, a um alto monte. E foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. Então disse Pedro a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, farei aqui três tendas; uma será tua, outra para Moisés, outra para Elias. Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis, vindo da nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi. Ouvindo-a os discípulos, caíram de bruços, tomados de grande medo. Aproximando-se deles, tocou-lhes Jesus, dizendo: Erguei-vos e não temais! Então, eles, levantando os olhos, a ninguém viram, senão Jesus.
O mandato novo é de obediência ao representante de Deus na terra. Quem me ouve, ouve o Pai. Mais: quem a vós ouve é a mim que ouve (Lc 10, 16). Não somos divinos nem únicos para determinar nossas circunstâncias. Por isso todo aquele que quiser ter uma vida própria e independente não pode ser discípulo de Jesus: a da obediência. A regra da vida plena não é fazer o que convém mas a obediência manifestada nas palavras da nuvem. A vontade divina manifestada na Palavra que desceu do céu, demonstra a vontade divina que é a norma das vidas que dEle depende.
Pai, que a transfiguração me leve a confessar Jesus como teu Filho amado, e a reconhecer que sou chamado a expressar o esplendor divino que trago dentro de mim.
Fonte: Homilia Diária

Ideia de roteiro para teatro

(Entra Personagem A chega todo arrumado e B entra com roupa normal)

PA: Oi Crianças!!! Oi PB!

PB: Oi Todo mundo!!! Olá PA!! Nossa como você está arrumado?!

PA: PB Você lembra que a Catequista disse que iriamos hoje fazer uma peça de teatro?

PB: Lembro sim! Ela até pediu para não chegarmos atrasados que ela iria dividir os papeis dos personagens!!

PA: Exatamente isso!!!

PB: Não entendi!!!

PA: Olha, eu vim todo arrumado e todo perfumado porque eu quero ser o personagem principal!!

PB: Mas por que você quer ser o personagem principal?

PA: Ah porque ele recebe os efeitos especiais mais que os outros personagens!

PB: Efeitos especiais???

PA: Pelo visto você não entende nada de teatro!!! Efeitos especais são as luzes, os sons, as vozes que aparecem para o personagem principal entrar!! E tem mais uma coisa... as pessoas sempre gostam mais do personagem principal!!

PB: Nossa que legal!!

PA: Ai meu Deus a catequista está demorando para chegar!!!!

(Catequista entra)

C: Olá crianças!!! Tudo bem com vocês?? Prontos para o nosso teatro??

PB: Estamos sim!!

PA: Eu estou todo preparado para ser o personagem principal!! Olha só a minha roupa, o meu perfume e o meu cabelo todo arrumado!!

C: Agora estou entendendo!! Olha vamos fazer o seguinte!! Vou contar a história que vamos encenar e depois descobrimos quem será os personagens!!

PA e PB: Combinado!! (Eles sentam com as crianças)

C: Prestem atenção!! Hoje é um dia muito especial para a nossa igreja!! Hoje comemoramos a Festa da Transfiguração de Jesus!

PA: Transfiguração de Jesus???

PB: Eu sei, foi quando Jesus se transformou em figurinhas não é C??

C: Não, não PB. Jesus não se transformou em figurinhas não!! Prestem atenção o que aconteceu com Ele! Jesus subiu o Monte Tabor com Pedro, Tiago e João. E foi lá que Ele se Transfigurou diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz.

PB: Isso é transfigurar?

C: Isso mesmo! Então apareceu Moisés e Elias, dois grandes profetas para conversarem com Jesus. Foi aí que uma nuvem desceu e falou algo muito importante!!

PA: Que maneiro os efeitos especiais da Transfiguração Catequista!! E o que a nuvem disse?

C: Não foi a nuvem que disse e sim a Voz de Deus. Ele falou no meio da nuvem:  “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo meu agrado. Escutai-o!”.

PB: Nossa que lindo C. Mas me diga uma coisa, por que a transfiguração é tão importante??

C: A Transfiguração aconteceu diante dos 3 discípulos para que eles aprendessem a escutar e obedecer Jesus. É exatamente o que o Evangelho de hoje está nos ensinando! Precisamos escutar sempre o que Jesus tem para nos falar e obedecer! Afinal só Jesus é o caminho para chegarmos ao Céu.

PA: Nossa, muito importante mesmo!!

C: E no nosso teatro de hoje, o personagem principal fará o papel de Jesus!

PA: Acho que tem que ser o PB o personagem principal!

PB: Mas você queria tanto os efeitos sonoros em cima de você?

PA: Acontece que você é mais parecido com Jesus.

PB: Por que você acha isso?

PA: Ah porque você é mais simples, mais bondoso, que ajuda mais todas as pessoas... acho mesmo que você é mais indicado para esse papel!!

C: Mas antes de continuarmos, o que acham de fazermos uma oração para abrirmos nossos ouvidos e nosso coração para Jesus?

PA e PB: Vamos!!

C: Então coloquem as mãos no coração, fechem os olhos e repitam assim comigo: Espirito Santo, abra os meus ouvidos para que eu possa sempre escutar o que Jesus está falando e toca no meu coração para que eu seja obediente aos Seus ensinamentos! Amém. Agora vamos que a catequese vai começar!!

Sugestão de Música


Ideia para trabalhar esse Evangelho

Antes de começar com a dinâmica, é preciso sentar as crianças em roda e contar o Evangelho. Depois pode ser feito um momento de reflexão para ver se todas entenderam o Evangelho.
Após esse momento, a sugestão de recurso é confeccionar com eles um kit para teatro de palito. Pode ser dado todos os desenhos para que eles pintem e depois colar os palitos. Assim eles poderão contar para os pais e amiguinhos em casa!!!
Resultado de imagem para desenho de montanha para colorirPara a montanha ficar de pé é importante colocar uma estrutura para apoiar. Pode ser feita de papel mesmo e em forma de um triângulo, onde uma parte do triângulo é colado no verso da montanha, a base fique no chão e a outra dê o sustento para parar em pé. Se precisar pode ser até 2 triângulos.

Resultado de imagem para desenho de raios de luz
A luz pode ser esse quadrado e coloca atrás de Jesus!!

Imagem relacionadaE a nuvem pode ser algodão ou manta acrílica.

Oração

Querido Jesus,
Obrigada por se transfigurar e nos ensinar que devemos sempre Escutar o que o Senhor nos diz e Obedecer!!
Peço que o Espirito Santo abra os meus ouvidos, me ajude a ter atenção e a obedecer todos os ensinamentos de Jesus!

Amém

domingo, 16 de julho de 2017

Evangelho de Mateus 13,44-52

Missa de 30 de julho de 2017

17.º DOMINGO DO TEMPO COMUM
 BUSCAI PRIMEIRO O REINO DE DEUS

Leituras
Primeira Leitura 1Rs 3,5.7-12
Salmo 118/119
Segunda Leitura Rm 8,28-30  
Evangelho Mt 13,44-52

Mensagem Principal
Irmãos e irmãs, a Liturgia nos apresenta Jesus Cristo como um tesouro ou uma pérola, encontrados em meio às alegrias e dores da vida. Entretanto, nunca devemos nos esquecer de que “tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus”. A verdadeira sabedoria consiste em reconhecer que não existe maior tesouro do que encontrar Jesus Cristo. Fonte: Folheto Nova Aliança.

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

O texto do Evangelho deste domingo pode ser dividido em três partes. Em cada uma delas, há aspectos e questões que convém pôr em relevo e ter em conta.
Na primeira parte, temos duas parábolas – a parábola do tesouro escondido no campo e a parábola da pérola preciosa (vers. 44-46). Ambas desenvolvem o mesmo tema e apresentam ensinamentos semelhantes.A questão principal abordada nesta primeira parte é a da descoberta do valor e da importância do Reino. Quer a parábola do tesouro escondido, quer a parábola da pérola preciosa, sugerem que o Reino proposto por Jesus (esse mundo de paz, de amor, de fraternidade, de serviço, de reconciliação que Jesus veio anunciar e oferecer) é um “tesouro” precioso, que os seguidores de Jesus devem abraçar, antes de qualquer outro valor ou proposta. Os cristãos são, antes de mais, aqueles que encontraram algo de único, de fundamental, de decisivo: o Reino. Ora, quando alguém encontra um “tesouro” como esse, deve elegê-lo como a riqueza mais preciosa, o fim último da própria existência, o valor fundamental pelo qual se renuncia a tudo o resto e pelo qual se está disposto a pagar qualquer preço. Provavelmente, Mateus está a sugerir a esses cristãos a quem o seu Evangelho se destina (adormecidos numa fé morna, inconsequente, pouco exigente) que é preciso redescobrir e optar decisivamente por esse valor mais alto, que deve dar sentido às suas vidas – o Reino. O cristão é confrontado, a par e passo, com muitos valores e opções; mas deve aperceber-se de que o Reino é o valor mais importante.Na segunda parte, Mateus apresenta o Reino na imagem de uma rede que, lançada ao mar, apanha diversos tipos de peixes (vers. 47-50). Na versão apresentada por Mateus, a parábola apresenta um ensinamento semelhante ao da parábola do trigo e do joio (sobre a qual meditamos no passado domingo): o Reino não é um condomínio fechado, onde só há gente escolhida e santa, mas é uma realidade onde o mal e o bem crescem simultaneamente. Deus não tem pressa de condenar e destruir. Ele não quer a morte do pecador; por isso, dá ao homem o tempo necessário e suficiente para amadurecer as suas opções e para fazer as suas escolhas (no Evangelho de Tomé, a versão é diferente: conta a história de um pescador “sábio” que pesca vários peixes, mas fica só com o maior e lança os outros ao mar. Aí, portanto, a parábola da rede e dos peixes apresenta uma mensagem que vai na linha das parábolas do tesouro descoberto no campo e da pérola preciosa. Alguns autores pensam que a versão apresentada no Evangelho de Tomé constitui a versão primitiva da parábola da rede e dos peixes).A referência que Mateus faz (mais uma vez) ao juízo final é uma forma de exortar os irmãos da sua comunidade no sentido de escolherem decididamente o Reino e porem em prática as propostas de Jesus.Na terceira parte do Evangelho que nos é proposto, Mateus apresenta um breve diálogo entre Jesus e os discípulos (vers. 51-52).Neste diálogo temos uma espécie de conclusão de todo o capítulo. Mateus sugere que o verdadeiro discípulo de Jesus é aquele que “compreende”. Ora, “compreender”, na teologia mateana, significa “prestar atenção” e comprometer-se com o ensinamento proposto. Os cristãos são, pois, convidados a descobrir a realidade do Reino, a entender as suas exigências, a comprometerem-se com os seus valores. A referência ao “escriba” que “tira do seu tesouro coisas novas e velhas” pode referir-se aos judeus, conhecedores profundos do Antigo Testamento (o “velho”), convidados agora a reflectirem essas velhas promessas à luz das propostas de Jesus (o “novo”). É nessa dialéctica sempre exigente e questionante que o verdadeiro discípulo encontra o caminho para o Reino; e, depois de encontrar esse caminho, deve comprometer-se com ele de forma decisiva, exigente, empenhada. Fonte: http://www.dehonianos.org 


Ideia de roteiro para teatro
PA: Olá Crianças! Oi PB.

PB: Oi.

PA: PB preciso vender todas as minhas coisas urgente.
PB: Vender todas as suas coisas? Porque?

PA: Porque preciso procurar tesouros, e quando encontrar tenho que ter o dinheiro para comprar! Você não ouviu o padre falando?

PB: Ouvi sim, mas não foi bem isso!

PA: Foi sim! O padre disse que se encontrarmos um tesouro, vamos ficar felizes. Mas só se tivermos o dinheiro, senão vai passar a vez e outra pessoa vai comprar!

Catequista: Oi crianças!

PB: Oi catequista! Ainda bem que a senhora chegou!!! Me ajuda a explicar melhor para o PA o evangelho de hoje! Ele está achando que tem que vender tudo o que tem pra comprar tesouro e não sei mais o que!

PA: Sim catequista, eu quero muito ser feliz, mas pra isso preciso do tesouro!

Catequista: Não é isso não crianças. Vou explicar pra vocês. No evangelho de hoje Jesus contava uma parábola que fala sobre um homem que encontrou um tesouro no campo. Ele vende todas as suas coisas para comprar aquele campo porque para ele aquele tesouro é o mais importante. Nós podemos comparar com nosso encontro com Jesus!

PA: Com Jesus? Não entendi mais nada!

Catequista: Sim! Quando conhecemos Jesus e nos encontramos com ele, muitas outras coisas que fazemos deixam de ser importantes! Nós trocamos muitos costumes para seguir Jesus e viver com ele.

PB: Por isso que minha mãe disse que preciso deixar de lado em alguns momentos os desenhos na TV, o vídeo game, as brincadeiras na rua para ir à missa, ir na catequese, no grupinho de oração!

PA: Ah! Mas as vezes eu quero ficar brincando!

PB: Eu também! Mas depois que chego nestes lugares e encontro com Jesus, fico muito contente e até esqueço das brincadeiras!

Catequista: É isso mesmo crianças! Jesus preenche nosso coração e nossa vida com alegria verdadeira pois Ele é nosso maior tesouro!

PA: Mas catequistas existem pessoas que não gostam de vir à missa! Não querem seguir Jesus! Estas pessoas não encontraram o tesouro?

Catequista: Sim PA existem pessoas que ouvem falar de todas as maravilhas que Jesus faz e decidem segui-lo, mas quando descobrem que precisam abrir mão de algumas coisas para ser como Jesus, eles desistem!

PB: Verdade Catequista! Meu pai sempre me diz que precisamos ter coragem para seguir Jesus. E também ser decididos!

PA: Ufa que bom! Não preciso mais vender minhas coisas.

PB: Sim! Mas não tão ufa assim! Seguir Jesus exige muita coragem e força, porque nem sempre é fácil!

Catequista: Mas crianças, vale muito à pena, pois Jesus nosso tesouro nos dá a verdadeira alegria! Vamos rezar um pouquinho para que nosso amigão nos ajude a encontrar a verdadeira alegria de caminhar com Jesus?

PA e PB: Vamos!

Sugestão de Música




Ideia para trabalhar esse Evangelho
Fazer uma caça ao tesouros, escondendo papeis que contenham palavras como “amor”,  “alegria”, “Sabedoria”, “dons”, entre outras coisas que encontramos quando escolhemos seguir Jesus.

Depois que todos encontrarem fazer uma reflexão sobre o caminho que temos que seguir para encontrar o nosso tesouro maior: Jesus!

Deve-se se abordar a alegria de encontra-lo, a alegria que ninguém nos tira! a verdadeira alegria!

Oração

Espirito santo vem me ajudar, me dá sabedoria para o grande tesouro encontrar.
Que o meu coração se encha de alegria, que eu saiba caminhar e seguir Jesus com amor e sabedoria!
Quero escolher sempre o caminho do bem, caminhar na Santa igreja, e ser discípulo de Jesus também!

domingo, 9 de julho de 2017

Evangelho de Mateus 13,24-43

Missa de 23 de Julho de 2017

 Resultado de imagem para desenhos sobre parabola do joio e do trigo
          16.º DOMINGO DO TEMPO COMUM
A MISSÃO DOS JUSTOS NO REINO DE DEUS

Leituras
Primeira Leitura Sb 12,13.16-19
Salmo Sl 85(86)
Segunda Leitura Rm 8,26-27
Evangelho Mt 13,24-43
  
 Mensagem Principal
Na Liturgia de hoje Jesus nos ensina que o mal não vem de Deus nem tem a última palavra sobre o mundo. Cabe a nós, com confiança e conversão, identificar os pequenos sinais da presença de Deus e acolher a sua graça que silenciosamente atua no dia a dia.
Fonte: Folheto Nova Aliança 

MENSAGEM
Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

A liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum convida-nos a descobrir o Deus paciente e cheio de misericórdia, a quem não interessa a marginalização do pecador, mas a sua integração na comunidade do “Reino”; e convida-nos, sobretudo, a interiorizar essa “lógica” de Deus, deixando que ela marque o olhar que lançamos sobre o mundo e sobre os homens.
A primeira leitura fala-nos de um Deus que, apesar da sua força e onipotência, é indulgente e misericordioso para com os homens – mesmo quando eles praticam o mal. Agindo dessa forma, Deus convida os seus filhos a serem “humanos”, isto é, a terem um coração tão misericordioso e tão indulgente como o coração de Deus.
O Evangelho garante a presença irreversível no mundo do “Reino de Deus”. Esse “Reino” não é um clube exclusivo de “bons” e de “santos”: nele todos os homens – bons e maus – encontram a possibilidade de crescer, de amadurecer as suas escolhas, de serem tocados pela graça, até ao momento final da opção definitiva.
A segunda leitura sublinha, doutra forma, a bondade e a misericórdia de Deus. Afirma que o Espírito Santo – dom de Deus – vem em auxílio da nossa fragilidade, guiando-nos no caminho para a vida plena.


Ideia de roteiro para teatro


(Crianças entram com saquinhos de sementes nas mãos )

PA: Oi crianças!

PB: Oi todo mundo!

PA: Nossa, PB! Me fala qual semente que você trouxe, aiii estou tão curiosa!

PB: Como assim qual semente? trouxe semente ué!

PA: Nossa PB dããã ... quero saber a semente do que você trouxe!

PB: Ah sim!  semente de morango é claro... amo morango... huumm...

PA: Eu trouxe  umas sementes de umas flores que minha mãe tem lá em casa, são bem bonitas.

( Entra PC,  todo curioso )

PC: Oi amigos!

PA e PB: Oi oi PC!

PC: Nossa PA e PB porque vocês estão com todas essas sementes aqui na igreja?

PA: Ué PC, você não veio na missa hoje cedo com a gente, agora fica ai todo perdido!

PC: Eu não consegui vir cedo, mas vou assistir a próxima missa com meus pais, por isso estou aqui.

PA: Ah que bom, então vou te explicar o que diz no evangelho de hoje e ai você poderá nos ajudar a semear assim que a missa acabar, pode ser?

PC: Siiiiiim! Mas PA, como assim semear?

PA: Isso mesmo, semear,  porque assim diz no evangelho " aquele que semeia a boa semente é filho de Deus" eu também quero ser filho de Deus.

PB: Eu também! e por isso vamos distribuir todas as sementes, para todos, assim vamos juntos semear e cuidar das plantinhas, para dar frutos para Deus.

PC: Hum, sei não viu, algo não está me cheirando bem!

PA: Ué, se tomar um bainho melhora... (risos)

PB: Boa PA! (risos)

PC: Ahaha... engraçadinhos, quero dizer que algo não está certo nessa ideia de vocês.

PA: Olha PC, você quem sabe! nós vamos fazer a vontade de Deus espalhar as sementes pra todo mundo poder plantar e ser filho de Deus para sempre.

PC: Ta bom vai, também quero ajudar! Vou assistir a missa agora com meus pais e assim que acabar volto aqui pra ajudar vocês, áa bom?

PA: Oba legal, vamos espera-lo!

( PC saí de cena )

( Entra Catequista )

C: Oi crianças!!

PA e PB: Oi tia!

C: Crianças eu acabei de encontrar com o PC e ele me explicou da ideia de vocês de espalhar sementes para todos da igreja.

PA: Sim, tia, e o que a senhora achou? Viu, somos obedientes a Deus!

C: Crianças achei a ideia de vocês muito linda, mas ainda estão confusos em relação ao que o evangelho nos diz.

PA: Ah, de novo me confundi!

C: Não tem problema PA, mas a ideia que vocês tiveram foi boa, só vou ajuda-los a entender melhor.

C: Crianças o evangelho de hoje nos fala que Jesus as vezes ensinava as pessoas por meio de parábolas.

PB: Mas o que são Parábolas, tia?

C: Parábolas são pequenas histórias, que nos ajudam a entender melhor algum ensinamento.

PA: Ah, entendi... então Jesus falava em parábolas para ficar mais fácil das pessoas entenderem?

C: Isso mesmo! Agora vou continuar.

C: Jesus conta ao povo a Parábola do Joio e do Trigo, que diz " Que numa plantação de trigo, apareceu uma pessoa maldosa, enquanto todos dormiam plantou Joio junto com trigo, na intenção de estragar o trigo.

PA: Então o Joio era uma coisa ruim?

C: Sim! muito ruim!

C: Mas ai as pessoas perguntaram ao dono da plantação se ele queria que arrancassem o Joio?

C: E sabem o que ele respondeu?

PA: Que sim, é claro!

C: Ele respondeu que não, pois assim poderiam também arrancar o trigo e iria perder a parte boa, ou seja, o trigo, então eles esperaram o Joio e o Trigo crescer para que depois separar os dois, assim jogariam o Joio, que era a parte ruim,no fogo e guardariam o trigo, que era a parte boa.

PA: Mas tia,ainda não entendi o que Jesus quis dizer com essa parábola.

C: Eu sei crianças, mas vou explicar de uma forma melhor!

C: Crianças, nessa Parábola Jesus diz que "O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo".

C: Quando Jesus fala sobre semear a boa semente, ele quer dizer que devemos ter boas atitudes e é com essas boas atitudes que conseguimos semear o bem para as pessoas.

PA: Então, na verdade não é pra sair plantando semente por ai e sim fazer coisas boas? 

C: Exatamente PA, Pessoas que amam a Deus sempre tem boas atitudes. Mas infelizmente existem também pessoas que não buscam o amor de Deus e assim elas se tornam pessoas que fazem maldades.

PB: Ah, tia...então o trigo significa as pessoas boas e o joio as pessoas ruins?

C: Não existem pessoas boas ou ruins, ninguém é de "todo bom" ou de "todo ruim" , o que constrói cada um de nós são as nossas atitudos, certo?  Aitudes boas semeiam o bem!

PA: Sim, mas tia o que acontece com quem não semeia o bem?

C: Semear o mal, é deixar de semear o bem! Isso,só traz dor e sofrimento! Muitas vezes quem semeia o mal, pode achar engraçado, divertido, sabe... mas logo, logo vem as consequencias ruins...

PB: Como quando contamos uma mentira ou não emprestamos o nosso brinquedo, ou escondemos do nosso irmãozinho o doce que a mamãe deixou para ele e comemos!

PA: Nossa, quanto exemplo de maldade! Você que semeou tudo isso? 

PB: Ah, algumas coisas... Mas não farei mais e já me arrependi de tudo, quero ser exemplo e trazer mais e mais amigos para conhecer Jesus! e juntos vamos para o céu! 

C: Muito bem PB, vejo que entenderam! Nós todos precisamos semear o bem, espalhar coisas boas pelo mundo e assim seremos escolhidos de Deus. Sempre iremos conviver com pessoas que fazem maldades, isto é da nossa humanidade, todos erramos, então precisamos através da oração, pedir ajuda ao Espírito Santo, para que ele nos ajude a sempre ter  boas atitudes, porque assim conseguiremos ser exemplos e assim ajuda- los a se arrepender e viver como Jesus nos pede e ganhar o céu! e fazer da nossa casa o céu!

PB: Eu já me arrependi de todas sementes más que joguei, tia, eu juro!

C: Ah que bom PB! E agora vamos fazer uma oração e pedir ajuda ao Espírito Santo, nosso amigão? Só assim podemos conseguir! Deus é muito bom e misericordioso e nos ajuda seempre!

PA e PB: Vamos!!



Sugestão de Música




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Confeccionar uma criança num tamanho grande para boa visualização de papeis coloridos ou EVA.
A criança deve ter a fisionomia triste, roupas muito coloridas e escrito na boquinha: fazer fofoca, nos bracinhos: ser agressivo, nas pernas: ser preguiçoso, etc... 

Confeccionar partes desta mesma criança só com atitudes positivas, separadas para serem coladas por cima. 

Pode se usar pequenos pedaços de velcro para grudarem as partes positivas por cima das negativas

E assim vai colando as partes positivas, cobrindo as partes negativas. 

A colagem tem que ficar bem feita para não cair depois e contradizer a aula. 

Fazer uma boquinha feliz e colar por cima da boquinha triste.
E ir explicando para as crianças como mudar de atitude muda nossa vida, nos deixa felizes e podemos ser exemplos para aqueles que precisam.



 
Oração

Querido Espírito Santo, me ajude a semear somente o bem, me ajude a ser uma pessoa boa e a estar sempre com o coração em Deus.
Eu quero ser escolhido para entrar no Reino de Deus, então amigo Espírito Santo, me auxilie em todas as minhas atitudes.
E peço também ao nosso Deus misericordioso que me perdoe por todas as vezes que eu fiz coisas erradas e prometo não fazer mais.

Amém!