Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

domingo, 25 de setembro de 2016

Evangelho de Lucas 17,5-10

Missa de 02 de outubro de 2016


27º DOMINGO DO TEMPO COMUM - OUTUBRO MÊS DAS MISSÕES MISSÃO: IGREJA MISSIONÁRIA TESTEMUNHA DE MISERICÓRDIA
                                               
Leituras
Primeira Leitura Hab 1,2-3;2,2-4
Salmo 94/95
Segunda Leitura  2Tm 1,6-8.13-14
Evangelho Lc 17,5-10 

Mensagem Principal
O ideal é divino e fascinante e vale a pena trabalhar pelo Reino dos Céus! Não há missão mais grandiosa do que, com Cristo e a exemplo d’Ele, investir corpo e espírito, alma e coração, na causa de Deus. E a causa de Deus é a salvação do homem.(Fonte: folheto Nova Aliança)

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!



Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: Pai, já está quase na hora de ir para a Catequese, você vai me levar hoje ou a mamãe, eu não estou achando ela... cadê?

Papai: Oi Filho, sua mãe foi ajudar no almoço que vai ter lá na igreja para as famílias carentes... eu vou levar você para a Catequese, mas antes preciso consertar esta mesa aqui, vamos usar lá para servir...

Personagem A: Entendi. Papai, posso ver a caixa de ferramentas?

Papai: Pode, mas tenha cuidado.

Personagem A: Tá...sabe, quando eu crescer quero muito ter uma caixa de ferramentas!

Papai: Isto é bom... toda casa precisa de uma caixa de ferramentas!

Personagem A: Mas só os homens podem usar né, papai? as mulheres não sabem de nada... estes dias o vizinho veio aqui pedir o alicate emprestado e a mamãe nem sabia o que era o alicate... deu a caixa toda para ele... hahaha

Papai: É filho, sua mãe não tem muito jeito com estas coisas, mas tem mulheres que tem sim, por exemplo, sua tia, conserta tudo que precisa e também tem uma caixa de ferramentas, ela gosta, se interessou desde pequena e até estudou para isso....

Personagem A: É mesmo, papai... ela fez engenharia, eu já vi até ela consertando o carro dela... é verdade, me esqueci dela... então as mulheres podem também usar ferramentas.

Papai: Sim, elas podem. Para usar qualquer ferramenta é só conhece-la, aprender para que serve e como podemos usa-la.

Personagem A: Sabe, papai... eu confesso... tem coisas ai que eu não sei para que serve não...

Papai: O que você quer saber, qual? eu te ensino, filho...

.... então, ele foi tirando cada coisa da caixa de ferramentas e o papai ensinando para que servia cada uma das coisas... o menino prestava muita atenção.

... mas o tempo passou rápido e logo chegou a hora de sair para a Catequese.

Papai: Filho, vamos párar por aqui senão perdemos a hora da Catequese... Vamos sair agora mesmo, ai conseguimos passar lá na cozinha da Paróquia e dar um beijo na mamãe.

Personagem A: Nossa, Pai... é mesmo, está na hora... eu estou empolgado para ir hoje... hoje começa o mês missionário, eu vi isso na tarefinha da semana que a tia dá para levarmos no próximo encontro!

Papai: Que legal, filho! Então hoje vocês vão aprender a ser como as ferramentas da caixa de Jesus!

Personagem A: Ferramentas da caixa de Jesus!

Papai: Sim, Deus criou a todos nós para ser ferramentas...cada um do seu jeito, com a sua característica, sua utilidade e ajudar o irmão!

Personagem A: Nossa, pai... deixa eu ver se entendi: então, todos nós, somos para Deus como as coisas que você tem ai na sua caixa de ferramentas? cada uma serve para uma coisa e nós servimos para ajudar os outros?

Papai: Isso, filho... mas nós não somos qualquer ferramenta, Deus nós fez especiais... com dons muito especiais, com jeitinhos e inteligência que ninguém tem igual...por exemplo: Sua mãe está lá na cozinha, esta servindo, com o jeitinho especial que ela tem para cozinhar...

Personagem A: Verdade, papai... ela cozinha tão bem e com tanto amor...

Papai: Sim, e foi assim que ela viu que pode ajudar a Deus a servir os irmãos, ajudar a quem precisa.

Personagem A: Entendi... ela tem vergonha de fazer leituras na missa, ela me disse isso... ficou orgulhosa quando eu li, mas ela arrumou outro jeito de ajudar... que legal!

Papai: Sim, isso é muito legal...e sabe filho, tem muita gente que ainda não descobriu no que pode ajudar... preste muita atenção na catequese hoje e ajude-as a entender isso. Sempre há o que fazer e o serviço, o amor ao próximo começa na nossa casa sim, mas não pode ficar só lá... tem que ir a quem precisa... não importa onde esteja!

Personagem A:  Isso, papai... boa ideia... vou prestar muita atenção! Deus precisa de mim... eu vou aprender a ajudar muita gente a saber no que pode ajudar!

Sugestão de Música

Servir, servir.... Deus me deu 2 mãos para servir! O que é que eu posso fazer por você?



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Com base nesta linda musiquinha que aprendemos que tal fazer este exercício?

O que é que eu posso fazer por você?

O que é que eu posso fazer para servir você?

Muitas e muitas respostas virão, mas há quem ainda não tenha estas respostas e entre as crianças também.

O mundo de hoje, quer "ser servido", nada mais! Este exercício de saber como e onde ajudar é muito importante.

Contextualize para as crianças o que é servir:
Servir é de coração deixar o seu tempo ao dispor de quem precisa, se dedicar... amar naquele ato de estar em ação para ajudar.

Mostre figuras de pessoas em serviço para Deus!

Dê exemplos, como a nossa mais recente santinha: Madre Tereza de Calcutá, como as pastorais que temos na igreja...

Por fim, deixe que eles desenhem ou escrevam um "propósito de serviço": o que é que eu posso fazer para servir?


Oração

Jesus, me ajude a ter um coração pronto para ajudar sempre! Que eu não tenha preguiça, não tenha medo, não deixe nada para depois! Me ajude, Senhor! Eu sei que o Senhor precisa de mim e eu quero ajudar. Amém!



sábado, 17 de setembro de 2016

Evangelho de Luca 16, 29-31

Missa de 25 de setembro de 2016


26º DOMINGO DO TEMPO COMUM
                                               
                                           
Leituras
Primeira Leitura Am 6, 1a. 4-7
Salmo 145/146
Segunda Leitura 1Tm 6, 11-16
Evangelho Lc 16, 19-31

Mensagem Principal
Mais uma vez a liturgia nos apresenta a realidade e o perigo do apego às coisas terrenas. No entanto, somos chamados às coisas do céu. Não fomos feitos para este mundo e, por isso, não podemos nos contentar com os bens terrenos. A Igreja do Brasil celebra hoje o “Dia Nacional da Bíblia”, a Sagrada Escritura divinamente inspirada, que é luz para nossa vida. Ouvindo atentamente a Palavra de Deus saberemos como usar corretamente os bens deste mundo, sem deixar-nos escravizar por eles, colocando-os a serviço dos mais pobres. (Fonte: folheto Nova Aliança)

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

HOMILIA
O POBRE LÁZARO

Esta parábola é uma seqüência de parábolas mencionadas por Jesus no Evangelho de Lucas, a do filho pródigo, o administrador infiel e automaticamente a parábola do rico e Lázaro.
Existe uma suposição de que Jesus queria dizer através desta parábola que os homens bons e maus recebiam suas recompensas após a morte, porém esta alegoria contradiz dois princípios:
1º) Um dos princípios mais relevantes de interpretação, é que cada parábola tem um propósito de ensinar uma verdade fundamental.
2º) O sentido de cada parábola deve ser analisado a partir do contexto geral da Bíblia.
Na verdade Jesus nesta parábola não estava tratando do estado do homem na morte, nem do tempo quando se darão as recompensas. Ademais interpretar que esta parábola ensina que os homens recebem sua recompensa imediatamente após a morte, é contradizer claramente o que a Bíblia apresenta por um todo (Mt 16:27, 25:31-40, ICo 15:51-55, Isa 4:16, 17, Ap 22:12), dentre outros textos.
Obviamente nesta parábola Jesus estava fazendo uma clara distinção entre a vida presente e a futura, pretendendo através desta relação mostrar que a salvação do judeu-fariseu, ou de qualquer homem, seria individual e não coletiva, como criam, e isso através da verdadeira consideração a imutável lei de Deus aos profetas (Lc 16:27-31).
A parábola do rico e Lázaro tem o propósito de ensinar que o destino futuro fica determinado pelo modo que o homem aproveita as oportunidades nesta vida.
Em conexão com o contexto da parábola anterior do administrador infiel. “Se, pois, não vos tornardes fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta, quem vos confiará a verdadeira riqueza?” Lc 16:11.
Sendo assim, compreende-se que os fariseus não administravam suas riquezas de acordo com a vontade divina, e por isso estavam arriscando seu futuro, perdendo a vida eterna.
Portanto, fica estabelecido que interpretar esta parábola de forma literal, resultaria em ir contra os próprios princípios encontrados nas escrituras. Fosse essa história uma narrativa real, enfrentaríamos, o absurdo de ter que admitir ser o ‘seio de Abraão’ o lugar onde os justos desfrutarão o gozo, e que os ímpios podem se ver e falar uns com os outros.
As lições apresentadas nesta parábola são claras e convincentes, porém os justos ou injustos receberam suas recompensas somente no dia da ressurreição (Jo 14:12-15,20 e 21, Sl 6:5, 115:17, Ec 9:3-6 e Isa 38:18).
Na verdade esta parábola traça um contraste entre o rico que não confiava em Deus e o pobre que nele depositava confiança. Os Judeus criam ser a riqueza um sinal das bênçãos de Deus pelo fato de serem descendentes de Abraão, e a pobreza indício, do seu desagrado para com os ímpios.
O problema não estava no fato do homem ser rico, mas sim por ser egoísta. A má administração dos bens concedidos por Deus havia afastado os fariseus e os Judeus da verdadeira riqueza, que é a vida eterna, esqueceram do segundo objetivo que se encerra na lei de Deus: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” Mt 22:39.
(Fonte: http://homilia.cancaonova.com/homilia/o-pobre-lazaro-lc-1619-31/)
Ideia de roteiro para teatro


Personagem A: Oi amigo, tudo bem?

Personagem B: É... tudo! (responde desanimado)

Personagem A: Ai credo, que desânimo! Acho que não está tudo bem coisa nenhuma! Que cara é essa?

Personagem B: Ah, tô triste, preocupado, chateado e até um pouco nervoso!

Personagem A: Nossa! Então é grave! O que houve?

Personagem B: Sim, é muito muito grave!

Personagem A: Ai ai, tô ficando preocupado e nervoso também! Me diz o que aconteceu!

Personagem B: Foi lá na catequese!

Personagem A: Na catequese???

Personagem B: É... e se eu soubesse o que a catequista iria pedir eu dava um jeito de ter faltado...

Personagem A: Eu não estou entendendo é nadinha!

Personagem B: Pois veja só, acredita que a catequista pediu pra semana que vem cada um levar um brinquedo?

Personagem A: Oba! Dia do brinquedo, igual na escola!

Personagem B: Que oba o que!?! Não é nada disso! Se fosse eu estaria mega feliz! Mas acontece que ela pediu pra levarmos um brinquedo para doar, falou que tem crianças que não tem brinquedos... e quando tem muitas vezes está quebrado, faltando peças...

Personagem A: Ué, e você está triste por quê? Eu adorei a ideia! Pois é verdade o que ela falou... eu já ouvi que tem muitas crianças que não tem brinquedo, e não é só isso... as vezes não tem sapato, roupa, lápis de cor, biscoito recheado, salgadinho... Por isso temos que partilhar, daí quando morrermos vamos pro céu!

Personagem B: Credo, não me fale em morrer, ainda sou muito criança pra pensar nisso!

Personagem A: Isso é, mas temos que ter bom coração durante toda a vida e não apenas quando morrer!

Personagem B: Ah, quer saber de uma coisa!? Semana que vem eu vou ficar muito doente e vou faltar na catequese, daí não preciso me despedir de nenhum brinquedo lindo que tanto amo!

Catequista entra

Catequista: Olá crianças! Tá tudo bem por aqui? Eu ouvi alguém dizendo que vai faltar na catequese... é isso mesmo?

Personagem A: É isso mesmo... o Personagem B falou que... (é interrompido pelo Personagem A)

Personagem B: Ah, não falei nada não... É que... é que.... Ah sabe o que é catequista, eu não tenho condição de escolher um brinquedo pra doar, é muito difícil, gosto de todos, amo todos, adoro todos!

Personagem A: E só pra constar ele tem muito e muitos brinquedos...

Catequista: Nossa, e será mesmo que não tem unzinho que você não brinque mais?

Personagem A: Até tem! Mas ainda gosto deles... Cada um tem uma história... tem uns que tive que me esforçar muito pra conseguir!

Personagem B: Mas amigo, você está sendo egoísta! Um brinquedo a mais ou um brinquedo a menos pra você não fará diferença, você tem tudo o que quer! E para uma criança pobrezinha um brinquedo novo fará muita diferença, será uma grande alegria!

Catequista: Exatamente! Ao invés de você pensar só em você, que tal pensar no próximo, nos pobres, nos necessitados! Pois é o que Jesus nos ensina, não é verdade?

Personagem A: É verdade! (envergonhado)

Personagem B: Foi o que eu estava tentando te dizer! E não é catequista que quando partilhamos vamos para o céu?

Catequista: Vamos para o céu quando seguimos Jesus, quando somos caridosos, bondosos, quando paramos de olhar para nosso umbigo e olhamos para o mundo ao nosso redor e enxergamos as necessidades do outro.

Personagem A: Eu me preocupo com os outros, tenho dó, mas...

Personagem B: Eu não sei pra que tantos brinquedos, nem dá tempo de brincar com tudo...

Catequista: O egoísmo nos afasta de Deus! Impede que vivamos em comunidade e que façamos o bem! De nada adianta ter todas as coisas materiais se o nosso coração estiver vazio!

Personagem A: Ai, tô me sentindo um bobo egoísta.

Catequista: Certa vez ouvi uma frase muito linda e quero que vocês também aprendam e guardem pra sempre no coração.

Personagem B: Como uma lição? E como é?

Catequista: A frase é assim: Você faz o bem na terra e ganha um tesouro no céu!

Personagem A: Puxa! Linda mesmo!!!

Catequista: Não importa as coisas que temos e sim as que fazemos! Ter um, dois, três ou dez brinquedos podem não nos fazer verdadeiramente felizes. O que levamos pra vida são as coisas que trazemos no coração, como o amor, a amizade, a caridade, a doação!

Personagem B: E mais vale um brinquedo doado do que 2 engavetados! hehe

Personagem A: É verdade! Aprendi uma linda lição pra vida toda! Mas quer saber? Não vou doar um brinquedo!

Catequista e Personagem B: Não???

Personagem A: Vou doar logo 3!


Catequista: Isso mesmo, parabéns! Fico muito feliz e orgulhosa! E pode saber que Jesus e outras crianças ficarão ainda mais felizes que eu!


Sugestão de Música

E é lá no céu que encontramos nosso verdadeiro tesouro!



Ideia para trabalhar esse Evangelho


Fazer uma fila de cadeiras, uma atrás da outra, como um trenzinho. Essa fila irá simbolizar um muro. (use o numero de cadeiras conforme o número de crianças)

Identifique um lado da fileira como “NOS APROXIMA DE DEUS” e o outro lado como “NOS AFASTA DE DEUS”.

Usando folhas de papel duro, escreva frases com a pergunta:
Essa atitude nos aproxima ou nos afasta de Deus?

Exemplos:
Obedecer os pais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não mentir, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Fazer o bem, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não ajudar o próximo, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não nos apegar a coisas materiais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Com as crianças sentadas nas cadeiras, faça uma pergunta para cada criança... E conforme responde, a criança deixa a cadeira e vai para o lado escolhido (próximo ou afastado de Deus).

Exemplo:
Pergunta da catequista: Obedecer os pais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Resposta da criança: Nos aproxima.
Então catequista direciona criança para o lado que está identificado como ‘NOS APROXIMA DE DEUS’.

Pergunta da catequista: Não ajudar o próximo, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Resposta da criança: Nos afasta.
Então catequista direciona criança para o lado que está identificado como ‘NOS AFASTA DE DEUS’.

Depois de feitas todas as perguntas a catequista explica que essa brincadeira é para percebermos que estar próximo ou afastado de Deus é uma escolha nossa, como quem escolhe em qual lado  do muro quer viver! E que não é possível estar dos dois lados ao mesmo tempo. Explica também que somente com boas atitudes, ajudando as pessoas, amando uns aos outros e acreditando no amor de Deus é que conseguiremos estar juntinho de Jesus e de nosso amado Deus.

Depois, para abordar tema dividir, partilhar e doar, a catequista volta a questão do apego às coisas materiais.

Catequista inicia perguntando,
Crianças, Deus quer que todos nós tenhamos um coração bondoso e que só tenhamos atitudes boas e uma das principais atitudes que devemos ter é a Caridade, isso mesmo, caridade.
E sabe uma ótima forma de praticar a caridade?
É NÃO nos apegarmos às coisas materiais!

E sabem como podemos demonstrar a Deus que somos caridosos e que não temos apego por coisas materiais??
Fazendo doações, isso mesmo doações!
E vocês sabem o que as crianças podem doar???
Brinquedos e roupas...e explicar a questão da doação, que existem muitas crianças que não tem condições de ter nenhum brinquedo, nem roupas e as vezes nem comida.
E então, nós deveríamos doar aqueles brinquedos que não brincamos mais e aquela roupinha que não serve mais.
Essa é uma atitude que Deus ama e quer que todos nós tenhamos.

Ideia: Catequista pode propor e fazer com as crianças o dia da doação, montar uma caixa e pedir que no próximo encontro todas levem um brinquedinho ou uma roupinha para a doação.
Oração


Papai do céu me ajuda a ter um coração generoso e preocupado com as necessidades dos meus irmãos!
Que eu saiba ajudar a quem precisa, assim aprenderei que o verdadeiro tesouro que posso acumular são os que trago no coração! Amém!





domingo, 11 de setembro de 2016

Evangelho de Lucas 16,1-13

Missa de 18 de setembro de 2016


25º DOMINGO DO TEMPO COMUM SETEMBRO: 
MÊS DA BÍBLIA
                                               
Leituras
Primeira Leitura Am 8,4-7
Salmo 112/113
Segunda Leitura  1Tm 2,1-8
Evangelho Lc 16,1-13

Mensagem Principal
Como família reunida e unida em nome de Jesus, a Palavra eterna do Pai, refletiremos na liturgia de hoje sobre a oração e a prática da justiça. Essas são algumas das condições indispensáveis para que o Reino de Deus aconteça neste mundo. É a oração que nos aproxima de Deus e do próximo. Ela nos desperta para o desapego das coisas que passam e abraçar as que não passam.(Fonte: folheto Nova Aliança)

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!




Ideia de roteiro para teatro

... caminho da escola...

Personagem A: Ai amigo, você fez a tarefa?

Personagem B: Eu fiz... a professora disse que vai ver hoje logo que começar a aula...você não fez?

Personagem A: Sim, eu fiz, fiz tudo, pintei bem bonito os desenhos, mostrei para a mamãe para ela ver se a minha letrinha estava bonita... mas aconteceu um desastre...

Personagem B: Desastre?

Personagem A: Sim, meu cachorro comeu meu caderno, destruiu ele... não sobrou nadinha!

Personagem B: Nossa precisa levar seu cachorro no veterinário, hein... é a terceira vez este ano que ele faz isso...

Personagem A: É?

Personagem B: Sim...

Personagem A: Ah sim, é mesmo... mas outro dia foi da catequese e outro da aula de inglês... realmente, ele deve estar com algum problema... ou deve estar querendo ser o cachorro mais inteligente do mundo! hahhaa

Personagem B: Olha amigo, eu acho que você deveria falar a verdade!

Personagem A: Mas a verdade é esta! todos já sabem que meu cachorro é maluco...

Personagem B: Eu sei que ele não é... lembra? a nossa catequista quis ir na sua casa e conversou com a sua mãe quando você falou isso do caderno da catequese... e descobriu que seu cachorro é muito comportado e não come nadinha além de ração!

Personagem A: Meu Deus é verdade... já descobriram isso... mas nossa catequista não conhece a professora... conhece?

Personagem B: Acho que não... mas amigo, lembra do que ela falou depois que saímos da sua casa, quando você estava caminhando para o castigo?

Personagem A: Ai não lembro, estou muito nervoso para lembrar...

Personagem B: Ela disse que muitas vezes as pessoas não descobrem nossas mentiras, mas Deus vê tudinho!

Personagem A: Verdade, ela falou isso... ai estou envergonhado... você vai me entregar? vai me desmentir para a professora...

Personagem B: Não, não vou não...

Personagem A: Ai que bom, obrigado... você é um bom amigo...

Personagem B: Eu não preciso falar nada se você falar a verdade!

Personagem A: Ah como assim? Desistiu de me ajudar? quer que a professora conte tudo para a minha mãe e me deixe de castigo denovo? você não é meu amigo nada!

Personagem B: Claro que sou, por isso quero que você se livre desta mentira... já é a terceira vez que você inventa ela... você precisa dizer a verdade!

Personagem A: Ah mais a verdade dói muito...

Personagem B: Sim...

Personagem A: Dói até no nosso bumbum...

Personagem B: Amigo, fale a verdade... a professora pode te ajudar e vai ficar feliz que admitiu que está errado e quer mudar... vai ajudar com certeza... e eu ajudo também, olha... tenho aqui um caderno novinho que ganhei da vovó... eu te dou ele...

Personagem A: Que ótima ideia... ai posso dizer que peguei o caderno errado... você é um gênio amigo! obrigada!

Personagem B: De jeito nenhum... tento de ajudar e você inventa outra mentira! Ah não...

Personagem A: Ai meu Deus... o que vou fazer... ninguém quer me ajudar e já estamos chegando na escola...

Personagem B: Eu quero te ajudar, estou aqui te dando um caderno, você conta tudo para a professora, ela te ajuda com tarefa e você fica no intervalo fazendo...

Personagem A: Mas isso é castigo!

Personagem B: Merecido né... ela vai te ajudar, você está errado, precisa perder algo... é a regra do jogo! Mas vai ganhar muito mais... Deus vai se alegrar muito com a sua decisão...

Personagem A: Peraí, eu não decidi nada ainda... como ficarei sem intervalo... vou morrer de fome... e ainda fazendo tarefa, não consigo pensar com fome....

Personagem B: Amigo, tenho uma ideia.. eu li na bíblia que a oração nos ajuda a tomar as decisões mais justas e deixar nosso coração levinho e o coração de Deus muito contente!

Personagem A: hum... mas é assim rápido que nem mágica...

Personagem B: Não, você precisa ter a atitude, neste caso, depois da oração, tem que falar a verdade... ninguém pode fazer isso por você!

Personagem A: Ai meu Deus... mas e depois?

Personagem B: Deus vai te ajudar, vai mandar nosso amigão Espirito Santo para acalmar a professora, segurar sua fome na hora do intervalo e mais que tudo te dar coragem... e de uma vez por todas aprender a lição... Vamos me dê sua mão... repete comigo:

"Senhor Jesus, me ajuda a me livrar desta mentira... que me afasta do seu coração... eu quero dizer a verdade e peço que o Senhor me ajude e cuide de tudo... eu vou fazer a minha parte! Amém...

E ai? Vamos lá?

Personagem A: Nossa, me sinto muito mais forte! Vamos sim... eu vou contar a verdade e eu aceito sim seu caderno, depois vou contar também lá em casa e a mamãe compra outro para você!

Personagem B: Vai contar também na sua casa?

Personagem A: Vou sim, porque eu menti para a mamãe que eu tinha feito a tarefa... menti até que tinha feito na sua casa... me desculpe amigo!

Personagem B: Tudo bem, está desculpado... e vai dar tudo certo, viu? Vamos lá!

Personagem A: Tenho certeza que vai... Vamos sim!

Sugestão de Música

Temos que ser verdadeiros, a mentira não nos leva a nenhum lugar! Só traz confusão e deixa o coração pesado! Deus ama a verdade e a Justiça!




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Temos que fazer as nossas escolhas fazemos isso dia a dia,  para exercitar isso com as crianças vamos construir um muro.

Pode ser uma barreira de cadeiras o que você tiver disponível.

Vamos explicar que Deus nos pede escolhas, não nos impede de seguir nossa decisão, mas nos dá muitos alertas, um deles são os ensinamentos da Bíblia.

Colocar um sinal bem grande de + positivo de um lado lá vamos escrever coisas e colocar figuras de coisas que agradam o coração de Deus e do outro lado faremos a mesma coisa, porém agora coisas que representem o - negativo, que não agrada o coração de Deus, que não são coisas pautadas na justiça.

A dinâmica é repassar com as crianças alternando as escolhas entre o positivo e o negativo, ouvir o que eles pensam sobre isso, falar de algumas consequências e principalmente do que fazer para transformar o ( - ) em ( + ).

Conclua com uma bela oração.


Oração

A hora do Pai Nosso é a oração que Jesus nos ensinou, é uma oração completa! Nos traz cada momento necessário para pedir a força que vem de Deus e lutar contra o pecado!



domingo, 4 de setembro de 2016

Evangelho de Lucas 15,1-32

Missa de 11 de setembro de 2016




24º DOMINGO DO TEMPO COMUM SETEMBRO: MÊS DA BÍBLIA
                                               
Leituras
Primeira Leitura Ex 32,7-11.13-14
Salmo 50/51
Segunda Leitura  1Tm 1,12-17
Evangelho Lc 15,1-32

Mensagem Principal
 Na liturgia de hoje, o tema central é o amor incondicional de Deus por seus filhos. Não importa aquilo que façamos ou deixemos de fazer, pois a iniciativa de amar, perdoar e compreender o ser humano é sempre de Deus. De nossa parte, cabem somente os sentimentos de gratidão, confiança e arrependimento pelos erros cometidos. Assim sendo, é com este sentimento de profunda gratidão por tão grande amor que nos reunimos como família de Deus para participar desta celebração com muita alegria e confiança em Deus. (Fonte: folheto Nova Aliança)

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!



Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: Sabe, amigo eu me identifico muito com o evangelho de hoje!

Personagem B: Nossa, mas por que? O evangelho de hoje fala do filho pródigo, o filho que fugiu de casa... você nunca fugiu de casa que eu sei...

Personagem A: Eu não me identifico com o filho pródigo, Deus me livre... eu me identifico com o filho mais velho!

Personagem B: Com o filho mais velho?

Personagem A: Sim!

Personagem B: Você é maluco... ele ficou com inveja do irmão quando ele voltou, porque o pai fez uma festa, ficou todo chateado e resmungando...

Personagem A: Não, não... ele estava certo... o filho pródigo abandonou a família, fez o que queria por ai, e ai quando não tinha mais nada quis voltar para o papaizinho! Um menininho chorão!

Personagem B: Mas coitado, ele tava comendo a comida dos porcos!

Personagem A: Ai eu tô aqui perdendo meu tempo, você nunca vai entender isso, porque também é filho mais novo! Só os filhos mais velhos me entendem!

Personagem B: Eu não tô mesmo entendendo nada... se o meu irmão fugisse de casa e voltasse eu ficaria feliz porque ele voltou... imagina, meu pai e minha mãe devem ter sofrido tanto, tanto!

Personagem A: Por isso mesmo eu não ia fazer festa nenhuma, claro que eu ia deixar ele entrar, mas festa não! Sabe, ser irmão mais velho é muito difícil, tudo você tem que dar exemplo para os pequenos, tudo tem que ser bonzinho e obediente! e os outros nada! Isso é revoltante!

Personagem B: Nossa você está mesmo muito bravo...

Personagem A: Eu queria mudar esta história... seria mais justo e daria uma boa lição em quem sai por ai fazendo o que não deve!

Catequista: Olá crianças, eu estava ouvindo a conversa de vocês enquanto chegava... aconteceu alguma coisa na sua casa personagem A? Estava falando de dar uma lição nos irmãos mais novos e defendendo que os mais velhos são injustiçados!

Personagem A: Sim, era isso mesmo, tia! Mas não é nada na minha casa, pelo menos não desta vez... meus irmãos tem se comportado, eu sou um bom exemplo de irmão mais velho. Eu estava falando do evangelho de hoje!

Personagem B: Falando não, tava reclamando, todo revoltado!

Personagem A: É eu tava mesmo... tia você é irmã mais velha?

Catequista: Sou, sou sim... tenho mais um irmão e uma irmã mais novos que eu!

Personagem A: Ai você sim vai me entender, eu também sou... a senhora não acha que os irmãos mais novos são os protegidos e que a gente os irmãos mais velhos sempre somos prejudicados, castigados e muito cobrados!

Personagem B: Nossa que exagerado!

Catequista: Não, querido... não sinto assim... é verdade mesmo que nossos pais pedem nossa ajuda para dar exemplo e ensinar os pequenos, mas acho isso normal, aliás eu sempre gostei muito de ajudar meus irmãos, é muito bom poder contar para eles o que já vivi, onde eu já cai, o que já fiz que não deu certo, dar conselhos, ajudar!

Personagem A: Sim, tá certa... mas dá muito trabalho... e as vezes a gente não ganha nem muito obrigado! por isso eu acho que a festa do evangelho tinha que ser para o filho mais velho, tudo bem o outro voltar, mais nada de festa para ele. Ele até podia ir... mas não era dele não!

Personagem B: Eu discordo! O mais velho sempre esteve lá com a família, todo dia é festa na família...o pai tava triste porque o filho tinha sumido e ficou todo feliz quando ele voltou!

Personagem A: Tudo bem, isso eu concordo... mas não concordo nadinha de festa... ai já é demais... fazer festa para quem fez errado! Nunca vi isso!

Catequista: Não é festa para quem está errado! Ìsso seria verdade se quando ele resolveu sair pelo mundo, gastar tudo o pai fizesse uma festa, tipo uma festa de despedida, ele fez?

Personagem A: Não, não fez... foi quando ele voltou!

Catequista: Isso mesmo, e como é que ele voltou?

Personagem B: Todo arrependido, pedindo para o pai que trata-se ele como empregado...

Personagem A: Bem assim, de coitadinho que os mais novos se fazem! ai os pais ficam com peninha! Fazem bagunça e falam: ai eu fiz isso, mais cai e machuquei meu pezinho! Tudo mentira!

Personagem B: Ai nada a ver! Nem todo mundo é mentiroso, tem gente que se arrepende de coração... e promete não fazer mais e não faz... eu sou assim!

Catequista: Sim, é ai mesmo que queria chegar: o arrependimento do coração. Assim foi com o filho pródigo... ele quis experimentar o novo, quis sair pelo mundo, fez muitas coisas erradas... seu pai já sabia que ele faria coisas erradas... era experiente... também já errou na vida...

Personagem A: Eu imagino que o pai deve ter até avisado ele, mas ele desobedeceu.

Personagem B: É pode ser mesmo!

Catequista: Sim, é provável que sim... mas eu acho que não!

Personagem A e B: Não?

Catequista: Não, acho que ele só o deixou ir e ficou torcendo para que voltasse, se arrependesse de coração... como Deus faz com a gente!

Personagem A: Não tô entendendo... Como assim igual Deus faz com a gente?

Catequistas: Todos nós erramos, nós filhos mais, velhos, do meio, mais novos, papai, mamãe, vovô, vovó... todo mundo!

Personagem B: Isso é verdade mesmo!

Catequista: Deus nos deixou muitos avisos, muitos alertas e ensinamentos dizendo o que é certo e o que é errado não é?

Personagem A: Sim, tem a bíblia, os mandamentos, a catequese, a missa!

Personagem B: O papai e a mamãe também... e os irmãos...rs

Catequista: Mas mesmo assim, fazemos coisas erradas não é?

Personagem A e B: Sim, é verdade!

Catequista: Ele não nos impede, apenas espera que a gente retorne, se arrependa de coração, com o compromisso de não fazer mais, não é?

Personagem A: É verdade... e será que Ele faz festa!

Catequista: Muita, muita festa! a maior de todas! a maior alegria do coração de Deus é ver um filho voltar para o seu abraço!

Personagem A: Que bonito!

Personagem B: Igual o pai do filho pródigo!

Catequista: Igualzinho! Não podemos nunca questionar ou ficar triste com isso, não é certo... afinal, todos erramos, hoje é dia da festa do seu irmão... amanhã será a sua! todos erramos... Deus ama e perdoa todos!

Personagem A: Será que o filho pródigo ficou bonzinho para sempre?

Catequista: Eu acho que ele aprendeu sim uma bela lição e ajudou muita gente a não fazer mais isso, aprender com o erro dele.... para isso servem os irmãos, para ajudar um ao outro!

Personagem B: Eu sou muito agradecido por tudo que meu irmão mais velho me ajuda... e eu ajudo ele também, assim que tem que ser....

Personagem A: É verdade... eu também gosto muito de ajudar os meus irmãozinhos, e aprendi mais uma para ensinar para eles... vou contar a historinha do filho pródigo para eles, do jeito que se deve, com todo amor... mostrando que todos erramos e que Deus ama todo mundo e quer todo mundo pertinho Dele!

Catequista: Ótimo, faça isso mesmo... isso vai alegrar muito o coração de Deus...esta é a maior alegria do coração dele, quando a gente passa a frente este amor, o mesmo amor com que Ele nos ama!

Sugestão de Música

A música nova do Dunga traz uma visão diferente sobre o filho pródigo e a imensa misericórdia de Deus. Ela é curtinha e bem agitada, a criançada vai gostar:

Letra e Cifra - A Festa - Dunga




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Olha que legal estas gravuras para contar a historinha do Filho Pródigo! Está disponível em um blog muito lindo Pequeninos de Jesus

Ao contar a história o tema central deve ser a misericórdia de Deus, seu imenso amor por nós... use os personagens para lembrar às crianças momentos em que elas agiram com os personagens, em especial o Filho Pródigo e o irmão mais velho.

Também é importante linkar com o amor dos pais, e cada cuidado que eles tem com a gente e frisar bem a necessidade deste respeito e obediência.




Oração

Senhor que eu entenda a sua Misericórdia, não faça julgamentos, não queira ela só para mim... só para a minha conveniência! Que eu não esqueça nunca do seu amor infinito e da sua alegria cada vez que um filho Teu volta para a casa. Amém!