Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Evangelho João 2, 13-25

Missa 04 de Março de 2018

Resultado de imagem para DESENHO Evangelho João 2, 13-253º DOMINGO DA QUARESMA 
CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2018 FRATERNIDADE SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA “VÓS SOIS TODOS IRMÃOS” (MT 23,8)
Leituras
Primeira Leitura Ex 20,1-17 
Salmo Sl 18(19b)
Segunda Leitura 1Cor 1,22-25
Evangelho Jo 2,13-25

Mensagem Principal
Irmãos e irmãs, o Homem-Templo, onde Deus mora, é a grande ideia que o homem de hoje perdeu. Quão importante recordar aos homens de hoje a dignidade, nascida da realidade de Deus, não de um Deus distante, isolado no seu céu, mas um Deus presente, morando em cada um, fundamentando o respeito que devo a mim mesmo e o respeito que devo ao outro. (Fonte: folheto Nova Aliança)

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!


MENSAGEM

Os profetas de Israel tinham, em diversas situações, criticado o culto sacrificial que Israel oferecia a Deus, considerando-o como um conjunto de ritos estéreis, vazios e sem significado, uma vez que não eram expressão verdadeira de amor a Jahwéh; tinham, inclusive, denunciado a relação do culto com a injustiça e a exploração dos pobres (cf. Am 4,4-5; 5,21-25; Os 5,6-7; 8,13; Is 1,11-17; Jer 7,21-26). As considerações proféticas tinham, de alguma forma, consolidado a ideia de que a chegada dos tempos messiânicos implicaria a purificação e a moralização do culto prestado a Jahwéh no Templo. O profeta Zacarias liga explicitamente o “dia do Senhor” (o dia em que Deus vai intervir na história e construir um mundo novo, através do Messias) com a purificação do culto e a eliminação dos comerciantes que estão “no Templo do Senhor do universo” – Zac 14,21).
O gesto que o Evangelho deste domingo nos relata deve entender-se neste enquadramento. Quando Jesus pega no chicote de cordas, expulsa do Templo os vendedores de ovelhas, de bois e de pombas, deita por terra os trocos dos banqueiros e derruba as mesas dos cambistas (vers. 14-16), está a revelar-Se como “o messias” e a anunciar que chegaram os novos tempos, os tempos messiânicos.
No entanto, Jesus vai bem mais longe do que os profetas vétero-testamentários. Ao expulsar do Templo também as ovelhas e os bois que serviam para os ritos sacrificiais que Israel oferecia a Jahwéh (João é o único dos evangelistas a referir este pormenor), Jesus mostra que não propõe apenas uma reforma, mas a abolição do próprio culto. O culto prestado a Deus no Templo de Jerusalém era, antes de mais, algo sem sentido: ao transformar a casa de Deus num mercado, os líderes judaicos tinham suprimido a presença de Deus… Mas, além disso, o culto celebrado no Templo era algo de nefasto: em nome de Deus esse culto criava exploração, miséria, injustiça e, por isso, em lugar de potenciar a relação do homem com Deus, afastava o homem de Deus. Jesus, o Filho, com a autoridade que Lhe vem do Pai, diz um claro “basta” a uma mentira com a qual Deus não pode continuar a pactuar: “não façais da casa de meu Pai casa de comércio” (vers. 16).
Os líderes judaicos ficam indignados. Quais são as credenciais de Jesus para assumir uma atitude tão radical e grave? Com que legitimidade é que Ele se arroga o direito de abolir o culto oficial prestado a Jahwéh?
A resposta de Jesus é, à primeira vista, estranha: “destruí este Templo e Eu o reconstruirei em três dias” (vers. 19). Recorrendo à figura literária do “mal-entendido” (propõe-se uma afirmação; os interlocutores entendem-na de forma errada; aparece, então, a explicação final, que dá o significado exato do que se quer afirmar), João deixa claro que Jesus não Se referia ao Templo de pedra onde Israel celebrava os seus ritos litúrgicos (vers. 20), mas a um outro “Templo” que é o próprio Jesus (“Jesus, porém, falava do Templo do seu corpo” – vers. 21). O que é que isto significa? Jesus desafia os líderes que O questionaram a suprimir o Templo que é Ele próprio, mas deixa claro que, três dias depois, esse Templo estará outra vez erigido no meio dos homens. Jesus alude, evidentemente, à sua ressurreição. A prova de que Jesus tem autoridade para “proceder deste modo” é que os líderes não conseguirão suprimi-l’O. A ressurreição garante que Jesus vem de Deus e que a sua atuação tem o selo de garantia de Deus.
No entanto, o mais notável, aqui, é que Jesus Se apresenta como o “novo Templo”. O Templo representava, no universo religioso judaico, a residência de Deus, o lugar onde Deus Se revelava e onde Se tornava presente no meio do seu Povo. Jesus é, agora, o lugar onde Deus reside, onde Se encontra com os homens e onde Se manifesta ao mundo. É através de Jesus que o Pai oferece aos homens o seu amor e a sua vida. Aquilo que a antiga Lei já não conseguia fazer – estabelecer relação entre Deus e os homens – é Jesus que, a partir de agora, o faz. 

Ideia de roteiro para teatro

PA: Oi amigo! Tudo bem?

PB: Tudo sim! Amigo, sabe o que eu descobri?

PA: O que?

PB: Jesus mudou de profissão!

PA: Como assim, mudou? Jesus era carpinteiro como seu pai José!

PB: Pois é... era o que eu também sempre soube!

PA: Mas como foi que você ficou sabendo dessa novidade?

PB: Eu ouvi que Jesus vai construir um Templo!!!

PA: Ah, então agora Jesus não é mais carpinteiro e sim pedreiro!?!?!

PB: Exatamente!!!

PA: Sabe amigo, acabei de ter uma ideia!

PB: Oba! Adoro ideias! Me conta!!!

PA: Que tal se ajudássemos Jesus!

PB: Como assim? Eu não sei construir...

PA: Eu também não! Mas podemos ficar com a parte mais legal!

P B: Já sei! Podemos pintar o templo que Jesus irá construir!!!

PA: Isso! Podemos pintar bem bonito, bem alegre e colorido...

(Entra a catequista e de admira com o entusiasmo das crianças)

Catequista: Oi meninos! Quanta animação!!! Aposto que estão aprontando!!!

PB: Oi catequista!

PA: Oi!!! Estamos mesmo muito animados!

Catequista: E eu posso saber o motivo?

PB: Claro!

PA: Ficamos sabendo que Jesus, alem de carpinteiro, também é pedreiro!

PB: Isso! E ele irá construir um templo!

Catequista: Ah... Jesus agora é pedreiro!?!

PA: Isso, isso... e adivinha quem vai pintar o templo que Jesus vai construir?

PB: Adivinha, adivinha!!!

Catequista: Até imagino...

PA e PB: Nóóóós!!!

Catequista: Meninos, é lindo ver a alegria de vocês... mas sinto desapontá-los!

PA: Como assim?

Catequista: Jesus não é pedreiro e não vai construir nenhum templo que precise ser pintado!!!

PB: Mas falou no evangelho... Jesus vai destruir o templo e reconstruir em 3 dias!

Catequista: Pois então, no evangelho diz que Jesus chegou no templo e não gostou de ver que fizeram mau uso do templo e o transformaram numa casa de comércio...  Ele ficou bravo de ver aquelas pessoas desrespeitando a casa do Senhor... nós devemos respeitar a casa do Senhor!

PB: Assim como nós temos que ter respeito quando estamos na igreja, né?

Catequista: Isso mesmo! Não é certo comer dentro da igreja, devemos sempre respeitar o padre, etc...

PA: E daí Ele falou que ia destruir e construir outro! Não foi?

Catequista: O templo que Jesus irá construir não é um templo de pedra, com paredes para serem pintadas!

PB: Mas então como é esse templo?

Catequista: Esse templo é o próprio Jesus!

PA: Mas e como vai destruir e reconstruir em 3 dias?

Catequista: Jesus se referia à Sua morte... Ele sabia que iria morrer, sabia também que depois de 3 dias ressuscitaria! Se referiu ao templo pois Jesus é onde Deus mora!

PB: Deus mora no meu coração também!!!

Catequista: Justamente! Todos nós somos templo do Senhor! Deus mora no nosso coração e devemos respeitar essa casa!

PB: Puxa! Que bonito isso!

Catequista: Sim! É muito lindo! Mas às vezes nos esquecemos e acabamos desrespeitando a casa de Deus que é nosso coração!

PA: E como fazemos isso?

Catequista: Quando não nos amamos, quando não cuidamos do nosso corpo e da nossa saúde, quando deixamos tantas coisas ruins entrarem no nosso coração, como a inveja, a raiva, a preguiça, a desobediência... muitas coisas!

PB: Imagina que feio, que desrespeito deixar nosso coração tão cheio de sujeira, sabendo que Deus mora lá!

Catequista: Assim, como vocês quiseram pintar o templo que Jesus ia construir para que ele ficasse bonito, colorido e alegre, também temos que cuidar do nosso corpo e do nosso coração, pois é mesmo muito feio, um desrespeito quando não cuidamos bem do templo do Senhor!

PA: Verdade! De hoje em diante eu vou prestar muita atenção nas coisas que trago no coração, pois não quero que Deus fique mal acompanhado no meu coração!

PB: Eu também!

Catequista: E quando se descuidarem, não se esqueçam de pedir a ajuda do Espírito Santo para que  Ele passe pelo nosso coração, pelo nosso corpo, nosso templo, e tire tudo o que é comércio injusto e impuro.

Sugestão de Música




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Faxina no coração - Templo do Senhor

A sugestão hoje é construir uma caixa em forma de coração, representando o Templo que é nosso coração e onde Deus mora! Todos nós somos Templo do Senhor!

Dentro do coração (caixinha) vamos colocar muitas coisas dentro, coisas boas (que devemos sempre cultivar) e coisas ruins (lixos que devem ser jogados fora). Exemplo: Amor, carinho, caridade, compaixão, amizade, solidariedade, serviço, obediência, alegria / inveja, preguiça, maldade, fofoca, desobediência, raiva, malcriação, etc.

Feito isso, é hora de refletir sobre o que trazemos no coração! Tirar cada coisa e partilhar sobre como é bom ter coisas boas no coração e limpar a sujeira, tirar tudo do coração tudo o que é ruim e nos faz mal! Ver que, quando ocupo meu coração com lixo, sobra menos espaço para as coisas boas! As coisas de Deus!


Oração
Senhor Jesus, envia Seu Espírito Santo, para que eu nunca me esqueça que Deus mora no meu coração, para que eu o mantenha sempre limpinho, cheio de amor e bondade e jogue fora tudo o que não é vontade de Deus para minha vida!
Amém!

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Evangelho de Marcos 9, 2-10

Missa 25 de Fevereiro  de 2018

Transfiguração de Jesus desenho
2º DOMINGO DA QUARESMA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2018 FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA “VÓS SOIS TODOS IRMÃOS” (MT 23,8)

Leituras
Primeira Leitura: Gen 22,1-2.9a.10-13.15-18
Salmo: Salmo 115 (116)
Segunda Leitura: Rom 8,31b-34
Evangelho: Mc 9,2-10

Mensagem Principal

Na caminhada quaresmal, hoje cada cristão é chamado a refletir se está disposto a deixar tudo para seguir a Cristo, na radicalidade e responsabilidade do Evangelho. Jesus é sincero com os seus indicando o caminho de sofrimento que estava para chegar, porém mostra o quanto Deus se importa com o ser humano manifestando a sua eternidade no tempo dos homens.

Fonte: Folheto Nova Aliança


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

No segundo Domingo da Quaresma, a Palavra de Deus define o caminho que o verdadeiro discípulo deve seguir para chegar à vida nova: é o caminho da escuta atenta de Deus e dos seus projetos, o caminho da obediência total e radical aos planos do Pai.
O Evangelho relata a transfiguração de Jesus. Recorrendo a elementos simbólicos do Antigo Testamento, o autor apresenta-nos uma catequese sobre Jesus, o Filho amado de Deus, que vai concretizar o seu projeto libertador em favor dos homens através do dom da vida. Aos discípulos, desanimados e assustados, Jesus diz: o caminho do dom da vida não conduz ao fracasso, mas à vida plena e definitiva. Segui-o, vós também.
Na primeira leitura apresenta-se a figura de Abraão como paradigma de uma certa atitude diante de Deus. Abraão é o homem de fé, que vive numa constante escuta de Deus, que aceita os apelos de Deus e que lhes responde com a obediência total (mesmo quando os planos de Deus parecem ir contra os seus sonhos e projetos pessoais). Nesta perspectiva, Abraão é o modelo do crente que percebe o projeto de Deus e o segue de todo o coração.
A segunda leitura lembra aos crentes que Deus os ama com um amor imenso e eterno. A melhor prova desse amor é Jesus Cristo, o Filho amado de Deus que morreu para ensinar ao homem o caminho da vida verdadeira. Sendo assim, o cristão nada tem a temer e deve enfrentar a vida com serenidade e esperança.

Fonte: Dehonianos


Ideia de roteiro para teatro


PA entra com uma mochila: Oi pessoal! Oi PB! Você também veio para o acampamento?

PB: Acampamento? Não estou sabendo de nenhum acampamento não!


PA: E depois fala que eu não presto atenção na missa!


PB: Nossa agora piorou! Não sei mesmo sobre o que você está falando!

PA: Os discípulos de Jesus já estavam até preparados pra montar as barracas você não ouviu o padre falando? Eu só estou com um pouco de medo, porque nesse acampamento aí tinha até fantasma!!!

PB: Ai PA! Lá vem você e essas histórias doidas!

PA: Você realmente não ouviu nada que o padre falou né?

Catequista: Olá Crianças tudo bem?

PA e PB: Oi Catequista!

PA: Você também vai para o acampamento? 

Catequista: Que acampamento?

PA: O acampamento com Jesus que o padre falou! Será que Pedro pode montar a minha barraca também? Ele se ofereceu pra montar até de fantasmas.

Catequista: Ah PA! Não foi isso que o padre disse não! 

PB: Viu! Falei que já era outra confusão sua!

PA: Não entendi! Tenho certeza que ouvi o Padre falar que Pedro queria montar tendas e que depois os dois que estavam com Jesus em cima do monte sumiram! Quem era mesmo que estava com Jesus?

PB: Moisés e Elias!

Catequista: Vamos lá, vou te explicar melhor! Os discípulos de Jesus estavam um pouco desanimados, pois eles largaram tudo para o seguir e Jesus já estava mostrando à eles qual o caminho que eles deveriam seguir, ou seja, o caminho da cruz!

PB: E eles não queriam catequista?

Catequista: Eles na realidade esperavam o triunfo do seu Messias sobre o mal, mas Jesus venceu até a morte por um outro caminho. O caminho da escuta da palavra de Deus e da obediência a Ele.

PA: Mas e os fantasmas? 

PB: Não tinha nenhum fantasma no evangelho PA!

PA: Como não? Quem desaparece assim do nada?

Catequista: Não crianças, não são fantasmas! Deus quis nos mostrar através de sinais que Jesus era seu filho muito amado e quis lembrar aos discípulos seu projeto salvador utilizando figuras do antigo testamento!

PA: Figuras? Que figuras eram esses?

Catequista: Moisés e Elias! Eles representavam a lei e os profetas que anunciavam o Messias que viria. São pessoas que escutaram a Deus e foram obedientes a Ele. 

PA: Nossa! que demais catequista! E por que eles sumiram então?

Catequista: Naquele tempo imaginava-se que Moisés e Elias apareceriam no dia do Senhor, na salvação definitiva, então foi um sinal para os discípulos de que a Salvação estava sendo manifestada através de Jesus. Com isso não tinha mais dúvidas de que Jesus era o filho amado e enviado por Deus para realizar o plano de salvação para nós!  Para realizar este plano era necessário escutar a Deus e ser obediente a Ele a exemplo de Jesus.

PB: Nossa! Eu queria muito ver tudo isso catequista! Pensando bem seria ótimo se tivesse mesmo o tal acampamento que o PA falou!

PA: Verdade! Acho que acampando juntinho com Jesus não teria como ficar desanimado né Catequista!
Catequista: Sim! Quando a face de Jesus se transfigurou e ele ficou todo brilhante como o sol, e suas vestes bem branquinhas também ficaram brilhantes, toda essa luz entrou no coração dos discípulos e eles compreenderam que o caminho que eles percorreriam não terminaria com a morte, mas sim com a ressurreição de Jesus!
PB: Ah então com certeza eles ficaram bem mais animados!
Catequista: Sim muito animados e por isso não queriam nem sair daquele lugar abençoado, assim como nós quando estamos na presença de Deus. Mas precisamos nos fortalecer na presença de Jesus para seguirmos com nossa caminhada rumo ao céu. Essa caminhada nem sempre é fácil, passa por diversos momentos difíceis, mas as experiências com Jesus nos deixam mais fortes, confiantes e preparados para obedecer o que Deus nos pede!
PA: Obrigada por explicar catequista! Agora entendo melhor que preciso ficar perto de Jesus para fazer tudo o que ele me pedir, pois se eu ficar longe e o desânimo chegar como vou voltar para o caminho né?
Catequista: Isso mesmo PA! Então crianças vamos orar e pedir à Deus um coração, manso, humilde e obediente para fazer sempre a vontade de Deus e ser parte do plano da salvação na vida dos nossos irmãos!

Sugestão de Música





Ideia para trabalhar esse Evangelho

Transfiguração de Jesus desenho para colorir


Oração

Senhor Jesus que tua luz venha brilhar em meu coração e que eu tenha sempre a certeza de que depois da cruz vem a ressurreição. Me ensina a escutar tua voz e obedecer, para levar à todos sua palavra de vida e salvação!

Amém!